Presidente do PSD de Herval diz que partido poderá perder a filiação do vereador Osni de Ávila

Vereador Osni de ÁvilaDevido a situação vivenciada no mês passado, quando um acordo entre o PSD e o PMDB em Herval d´Oeste não teria sido cumprido, o que impossibilitou que o vereador Tomaz Alberto Conrado (Tomate) do PMDB fosse eleito presidente do Poder Legislativo para este ano, a relação entre os dois partidos está estremecida.

Naquela oportunidade a derrota de Tomate para o presidente eleito Adelar Provenci (Kiko) do PSDB aconteceu, porque os vereadores Osni de Ávila e Jucemar Katchor (suplente), votaram no candidato tucano. Desde aquela data, representantes do PSD e do PMDB ainda não sentaram para conversar e colocar os pingos no “is”.

Os dois partidos dão sustentação a administração de Nelson Guindani e vinham participando de encontros para uma coligação visando o pleito no mês de outubro deste ano.

Precisamos sentar e conversar com o PMDB para analisarmos o que realmente aconteceu com a eleição da Mesa Diretora da Câmara. Vamos tentar encontrar um bom senso para as duas partes. Queremos deixar claro ao PMDB que o erro aconteceu por parte de pessoas e não do PSD”, justificou Leonardo Mascarello, presidente do PSD hervalense. Segundo ele o desejo é continuar com esta parceria entre PSD e PMDB.

Pela fala deles nós acreditamos que eles não deverão continuar no PSD. Para o suplente Katchor estamos fazendo um documento que será entregue posteriormente, solicitando a sua saída. Mas, acredito que a decisão será tomada por ele mesmo, sem a intervenção do partido. Espero que ele cumpra agora o que ele falou depois da votação”, argumentou Mascarello. Leonardo fez questão de deixar claro que Jucemar Katchor não tem mais espaço dentro do partido e que a saída do suplente seria a melhor alternativa no momento.

Quanto ao vereador Osni de Ávila, o presidente do PSD de Herval d´Oeste frisa que “ele já se posicionou para nós que tem interesse em deixar o partido. Não iremos tomar atitude alguma, porque o cargo é dele, pois foi eleito. Acho que ele está esperando abrir a janela para poder mudar de partido”, conclui Leonardo Mascarello.

Por Julnei Bruno