Ponte Alfredo Ítalo Remor: Um histórico de tragédias

Pesquisando dados que estão disponíveis na internet nos mais diversos sites encontramos um histórico de desastres que marcaram a trajetória até aqui de uma das pontes mais importantes da BR-282. A maior tragédia foi registrada antes mesmo de passar o primeiro veículo. Em 1974, durante a sua construção, o segundo vão, na cabeceira de Herval d’Oeste, desabou. O vão estava sendo concretado e dezenas de operários estavam trabalhando na obra. Ele caiu de uma altura de mais de 35 metros. Segundo o que apuramos, 11 pessoas morreram no meio dos escombros e outras várias ficaram feridas. A tragédia inicial foi superada e a ponte construída trazendo progresso para o Oeste de Santa Catarina.

Acidentes frequentes
Por imprudência de motoristas ou por alguma coisa ainda não bem explicada, os acidentes graves continuam sendo registrados e talvez seja uma das únicas pontes no Estado onde ocorrências desta natureza aconteçam com esta frequência. Pelos registros da Rádio Catarinense nos últimos anos foram pelos menos quatro acidentes, envolvendo dois veículos de passeio e dois caminhões, sendo que um dos caminhões o motorista teve sorte que ficou pendurado e pode ser resgatado.

Talvez uma das soluções seria um reforço do guard rail, que na época em que a ponte foi construída poderia ser ideal, hoje não dá mais conta.

Por Marcelo Santos
Foto extraída do site: https://meiooeste.blogspot.com/2015/03/a-ponte-do-rio-do-peixe.html
36636118_1818725664837937_3684065007676424192_n