Compra de feijão pela prefeitura com preço acima do valor de mercado gera polêmica em Herval d’Oeste

A compra de feijão preto para merenda escolar em Herval d’Oeste está rendendo polêmica. Alguns vereadores estão questionando o fato da prefeitura estar pagando mais caro o produto adquirido diretamente de agricultores, através de um programa da agricultura familiar, do que se fosse comprar diretamente de fornecedores. O preço do quilo pago chegou a R$ 6,55, enquanto existiam fornecedores com valor de R$ 3,20, segundo vereadores.

Na manhã desta sexta-feira (27) o vice-prefeito Mauro Martini concedeu entrevista a Rádio Catarinense explicando porque a administração está pagando mais caro pelo produto. De acordo com ele no início do mandato foi criado um programa de incentivo a Agricultura Familiar e produtores foram cadastrados para fornecer produtos para Creches e Escolas. Em janeiro, o preço médio da saca de feijão, estava em alta, com o quilo chegando a R$ 6,55, e apenas um agricultor se credenciou para fornecer o produto.

Em abril a administração providenciou a compra, dentro das normas legais, e seguindo uma Lei Federal que diz que 30% dos produtos adquiridos para a Merenda Escolar tem que ser oriundo da Agricultura Familiar, sob pena do município no exercício seguinte perder recursos, se não atingir este patamar. Cerca de 200 quilos por mês estão sendo adquiridos através do programa de forma legal, segundo o vice-prefeito.

Ouça a explicação do vice-prefeito